domingo, 3 de junho de 2012

SOSSEGO

.
.

E podes passar a noite em branco.
A encher balões para um palhaço
criado por ti que te sentes tu.
Parar no nada e constatar que preenches
o teu tempo com outros pequenos
nadas que nada trarão para além disso.
E, de repente, para ti, embora lentamente,
explode a manhã. Todo o sentimento
de perda e vazio se esvazia.
E podes, então, sossegado adormecer.
.
.

Sem comentários: