quarta-feira, 6 de junho de 2012

PISCINA DE CAMPANHÃ

.
.

Cada parafuso denunciava um passo.
Anos depois do último passar, eras tu,
mais velho, a locomotiva, e eu a carruagem,
poupávamos dinheiro para a entrada.
Hoje regressas só para me pintar a casa
e uma tal Dona Maria Pia, quem sabe,
talvez passe por ti uma vez por semana.
Eramos sobrinho e tio a atravessar
aquela ponte proibida a penantes
a caminho de uma piscina de sonho.
Na volta, agora saudosa, uma traineira
num rio de tainhas e um sumo no Areinho.
Uma fotografia encontrada como
peixe na rede para encarrilar a memória.
.
.

Sem comentários: