segunda-feira, 7 de maio de 2012

INTELLIGENTZIA

.
.

Querem reis na gramática
como reis da soletração
nas escolas do império.
Super-homens perfeitos
como máquinas que avariam.
Querem poetas certeiros
para emularem a eficiência
e o progresso alheio, o
sucesso dos mercantilistas.
Querem, querem, querem!
do esquecido verbo
crer já pouco ou nada resta.
.
.

Sem comentários: