quarta-feira, 14 de março de 2012

HETERODOXIA

.
.

Em todas as ruas te sonho
em todas essas ruas desperto
conheço tão mal o teu corpo
anseio tanto a tua figura
que é de olhos abertos que eu ando
a desesperar a tua cintura
e bebo o alcóol e sorvo o fumo
que te aconchegou a ventura
tanto, tão longe, irreal
que o meu corpo se reconfigura
e evita o seu próprio elemento
num corpo que ainda não é seu
num lago que prometeu
onde um braço meu te procura

Não sei se é a ti que te encontro
se é em mim que me perco
.
.

2 comentários:

Anónimo disse...

Espero que literalmente fodido fiques,
Gonzaga daniel, pelo abuso que,
Maneirista improvável, a seguir,
Aziago menestrel, ditei para o porvir:




HETERODÓQUÊ?

Em todas as ruas a sonho
Em todas as ruas desperto
Mal conheço o seu corpo meu
Tanto anseio pela sua figura
De olhos bem abertos vou andando
Em desespero pela sua cintura
Alcóol sorvo e fumo bebo
Da sua ventura aconchego
De tanto, do tão longe irreal
Onde o meu corpo se reconfigura
Seu próprio elemento se escusa
Num corpo ainda não seu
Num lago prometeu
Meu braço a procura
Mais que não seja, antes fora
Já não sei se na busca dela me encontro
Se em mim só me perco na cura


(abraço/josé quintas)

Daniel Ferreira disse...

Vale!

abraço