sábado, 11 de fevereiro de 2012

CONTRA TYRANNOS

.
.
Sobre a personalidade como uma máscara;
sobre o carácter como auto-fundado, auto-fundador;
e sobre a sacralidade da pessoa.

Sobre a licença e a exorbitância, sobre esquema
e fidelidade; sobre hábito e falta de hábito;
sobre a dissimulação; sobre a inveja

e a detracção. Sobre a nua preservação,
sobre a obrigação ao amor mútuo;
e sobre as nossas alianças com a linguagem

contra tyrannos.


Geoffrey Hill
[trad. Miguel Monteiro]

Sem comentários: