domingo, 15 de janeiro de 2012

POÉTICA

.
.
Escrevo para emular situações
e temperaturas, ocupando
noites, e chega então
o dia em que as palavras,
preenchidas pelo decorrer
dos sons nos dias, principiam
os próprios corpos
para ganhar contorno, substância.

Releio para confirmar vitórias
por antecipação à derrota, como
se num jogo de vida
ou de morte, respeitando
presente passado e futuro.
.
.

Sem comentários: