terça-feira, 27 de dezembro de 2011

JÁ CUSTOU MAIS

.
.
Será crime ultrapassar o tempo e as palavras
até ao ponto rebuçado. Querer, deste,
uma aproximação brusca e compreensível
descomprometida mas quente. Será
um ultraje dizer-te de boca cheia que o amor
só é possibilidade antes de ser proferida
a sua sentença semântica sobre o próprio verso.

Verdade é que o tempo pára, por vezes,
e insubordinados / inquestionáveis
os nossos pulsos não se submetem.

O que dizer então sobre aquele que só
consegue ver, numa outra pessoa,
amarguras, rejeitando-a e não se revendo
no poder curativo que pode exercer sobre essa.

Nada, claro; rigorosamente, nada de nada,
e de pouco nos salvará chorar os dias.
.
.

Sem comentários: