segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

ARMAS

.
.
Demoraram até falar-se.
A escuridão actuava como um eco,
espelhos de um oceano,
e no tumulto do recinto,
primeiro um sorriso, onde foste,
pôde quebrar a lâmina de gelo.

Há quase um mês e cada um
pensou vinte maneiras de o outro voltar.
Mas sempre se impôs um temor vago,
de asfixia e voltas de espiral.
A não saber dizê-lo,
a que falar já fosse para sempre.

Por isso ao primeiro gesto se fundiram
as armas que esboçou a resistência deles.

Ficaram apenas entre os dois
as armas do desejo e as da falta.


Luis Muñoz,
Trípticos Espanhóis 3.º
.

Sem comentários: