sábado, 26 de novembro de 2011

SOBRE O SACRIFÍCIO

.
.
subindo a encosta com a besta de carga e o filho
por uma das mãos, Abraão pensa provavelmente muito
e sua, escorrendo com um sorriso nervoso uma mágoa
profunda. Isaac tem as mãos pequenas e não sabe de nada,
mas o deus falou ao seu pai através de uma revelação
no deserto, através de um sonho. o deus providenciará
um cordeiro que substituirá Isaac amedrontado sobre uma
laje, sob a visão estranha em contra-luz de uma lâmina entre
as mãos decididas do pai. um animal de chifres presos num
silvado ocupará o lugar de Isaac no altar da oferenda
e Abraão desce a encosta com o filho, se Isaac ainda
lhe conseguir dar a mão. o deus providenciou,
na sua infinita misericórdia, o pão do céu, o cordeiro
com que redimir todos os pecados dos homens,
mas nem o deus nem Abraão perguntaram a Isaac se este
queria ser imolado. Isaac teria precisado de muitos
anos de sossego e de conforto, décadas de psicoterapia.
dizem: «antigamente os homens aguentavam», e o cordeiro
arrefeceria incinerado sobre a laje do sacrifício.


Pedro Tiago,
O Comportamento das Paisagens
.

Sem comentários: