quinta-feira, 17 de novembro de 2011

AMOR INVÁLIDO

.
.
Amas a que se afirma tua sombra.
Depois disso, luz, sentes em ti o sol
e acreditas na possibilidade da noite.
Logo de seguida, passas a acreditar na lua
e a ver, no seu movimento, o dos lençóis
quentes da tua cama. Por fim, se tudo
corre mal, como num eclipse de sol
onde a lua não lhe toca o corpo, dás
por ti perdido na expansiva escuridão.
Podes finalmente perceber que a lua
nunca alguma vez iluminou o sol.
.
.

Sem comentários: