quinta-feira, 30 de junho de 2011

Desço aos infernos
artificiais da vontade
e dou por mim
a escrever-te cartas,
poemas, tentativas vãs
de glória póstuma.
Na espera de uma
resposta, o silêncio.
Boa noite e um candeeiro.
.
.

Sem comentários: