domingo, 6 de março de 2011

DOS OITENTAS AO OITO E POR AQUI FORA

.
.

Passaram os oitentas, década
em que nasceste, e tudo estava perdido.
Chegaram os (falsos) decimais
e mais do mesmo.
Entre os primeiros e os últimos, o teu
corpo, a única
linha absoluta e positiva do trajecto e no tempo.
.
.

Sem comentários: