sábado, 11 de dezembro de 2010

TRAGÉDIAS HISTÓRICAS

 .
 .

Nunca apago
um só poema que escreva.
Quando o faço
apago grupos,
sou como um ditador comunista:
apago todo um colectivo.
Nunca, mas
nunca, como um ditador
neo-liberal:
nunca os deixo definhar por si.
.
 .

Sem comentários: