quarta-feira, 10 de novembro de 2010

FRONTAL

 .
 .

Sabes que seria
capaz de te amar, que todos
esses teus defeitos,
esses adereços
servidos pelo nosso tempo, pelo
imediatismo das carroçarias,
não me impedem
de desejar o calor da imagem
do teu corpo em confronto
com o meu,
como num acidente de auto-estrada.
Eu que também tenho
espelhos em casa.
.
. 

1 comentário:

josé ferreira disse...

muito bom! (se fosse um intelectual fodido da vida escreveria "delicioso"...)