domingo, 24 de outubro de 2010

.
.
«Não seria justo omitir que recorri também a certa gente muito ferida pela terra, e que, depois de convenientemente bem bebida, se torna imbatível na arte de abordar problemas insolúveis, passeando ao longo deles noites inteiras, de mãos atrás das costas e aquele ar solene e sensível de quem discute com a morte em frente do mar»
.
.
Nuno Brangança,
A Noite e o Riso
.

Sem comentários: