quinta-feira, 30 de setembro de 2010

SANEAMENTO BÁSICO

.
.
«Boa tarde, é p'ra Meia-Laranja»,
we want to buy oblivion.
Traficamos a vida nos interstícios
da morte e não há mal nenhum
em precisarmos para isso
de caros produtos teimosamente ilegais.
Não foi agora, nesta descida íngreme
com amplo sentido metafórico,
que se tornou impossível dignificarmos
a miséria fria do quotidiano.

Foi desde o início demasiado tarde
(estou a lembrar-me das lágrimas
breves de uma infância senil
e sem testemunhas). Fende-se depressa
o alcatrão inútil dos sonhos,
irrevogavelmente preteridos
em nome desta vertigem barata
com um preço veloz e excessivo.

Pode-se evitar tudo menos as evidências
– se estão nus os olhos por elas
apedrejados. Não há maneira possível
de varrer das ruas os kits de seringas
óbvias nem os limões necessários
a uma receita mortal de esquecimento
e renúncia. Não apodrecerá melhor
quem apodrecer por último.

Entre dois nadas, a dor – iluminando
às avessas becos nauseabundos
cujo simbolismo rudimentar
deixo ao cuidado de outrem. São gradualmente
mais improváveis os happy-ends congelados
que todos os dias nos tentam vender.

Porque o fracasso do mundo é ele próprio.
Procurem remendos para o irreversível
e talvez ainda venham a postular
novíssimas legiões de descrença. Tanto faz tudo.
Por isso permaneceremos, depois de qualquer razão
(ou desconhecendo mesmo esse termo), sentados
em cadeiras eléctricas que adornámos
com estofos cobardes, coloridos e perfumados.
A noite é para alguns o único sinónimo de
alma. Quem reivindica lapidações
nunca o sentiu, jamais o pressentirá.

Que ao menos nos deixassem quietos e livres
como este poema forçado (aparente
reabilitação da «vida vã» vendida tão cara)
que deliberadamente ignorou o amplo
sentido metafórico de um bairro ventoso
onde há sempre troco para morte.
.
.
Manuel de Freitas,
A Última Porta
.  

Sem comentários: