sexta-feira, 9 de abril de 2010

REPORTAGEM COLORIDA DO SUSPEITO DO COSTUME

 .
 .
«Ele é forreta. Nisso os amigos estão de acordo. É agarrado ao dinheiro. Não à maneira de Manuela Ferreira Leite, que era a "dona de casa". Ele é mais do género de ir para a farra com os amigos. Já tinha esse hábito nos anos 80, quando era líder da JSD. Iam para a Adega do Ribatejo, no Bairro Alto, comer e beber até às tantas. Ele e Miguel Relvas e outros companheiros, nem todos da política. Gastavam o dinheiro todo e depois não chegava para o táxi. Iam para casa a pé. Mas valia a pena. Passos conversava muito, comia sopa de cenoura com feijão, bebia vinho tinto e cantava o fado. Por vezes à desgarrada, com outros cantores da fauna local, como era o caso de Quinzinho de Portugal, de quem ainda hoje é amigo. Tal como é ainda amigo de Relvas e dos outros. Era uma época de pândega, mas também de uma maneira diferente de viver a política: mais autêntica, mais afectiva. Forjavam-se relações e solidariedades políticas que perduravam, para além das conveniências de momento ou de divergências conjunturais.»
 .
[com um primeiro parágrafo como este, cheio de vida e ligações perigosas, é inevitável não teres o descaramento de clicar sobre o texto. acredita, vale a pena, melhor do que ir ao circo. prontos, ao mesmo nível; mas este, exceptuando o jornalista de classe, é constituído, apenas, por contorcionistas dinamarqueses]
.
 .
 .

Sem comentários: