segunda-feira, 12 de abril de 2010

ENUMERAÇÕES NUMA LÍNGUA ESTRANHA

.
. 
1.

Os melhores poemas
surgem do esquecimento.
Das leituras que se insinuam
Epígrafes, no próprio acto
de escrever.

2.

Não há palavras
para definir o que definha,
o lugar perceptível
das nossas coisas, dos nossos gestos.

Resta-nos uma legenda
numa língua estranha,
a subscrição de um papel.

1.1

Os melhores poemas
são todos aqueles que não lemos,
Escondidos na mortandade
do nosso corpo.

2.1

Não há portanto bons
poemas. Há somente mortes
que não se esquecem. 
.

Sem comentários: