segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

A FORMA E O CONTEÚDO


«Heikal encarava-o com simpatia, feliz, no fundo, por descobrir naquele modelar funcionário da revolução os recursos de uma certa futilidade, medíocre, sem dúvida, mas mesmo assim apreciável. Aquele casaco apertado, o colarinho duro e a gravata velha constituíam o emblema da sua perfeita domesticação. Fazia questão de usar os ouropéis da sociedade que queria abater. Revolucionário sim, mas com dignidade. Vestido com o mesmo uniforme do adversário e pronto a substituí-lo.»


A Violência e o Escárnio, Albert Cossery

  

Sem comentários: