segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

DESCENDÊNCIA

«(...)
os nossos filhos crescem
com barbatanas, olhos verdes, sensações de imortalidade:
será possivel entendê-los? (...)»


Poemas, António Franco Alexandre


Sem comentários: